Seção - ECG da Semana

Paciente 60 anos, hipertenso e tabagista, admitido com história de dor torácica iniciada há 2h. Encaminhado a Sala de Parada Cardiorespiratoria com relato de convulsão durante realização do ECG. Qual o diagnóstico?

Resposta:

IAM com supradesnivelamendo do segmento ST em parede inferior, por provável oclusão de artéria circunflexa (Cx).

Flagrado presença de início de Fibrilação Ventricular durante o Ecg (principal causa de óbito nas primeiras horas de isquemia).

por Marcelo Sobreira Filho (Cardiologista - Especialista em arritmia e marca-passo)
marcelosobreirafilho

Henrique Santiago

em 29-05-2020 20:03

Analisando primeiro a onda P, em V1 observamos índice de Morris positivo. No complexo QRS-T, observa-se supradesnivelamento do segmento ST em parede inferior e lateral baixa. Além disso, há infradesnivelamento ST de parede anterior exigindo investigação de infarto "dorsal"( V7-V8-V9). Se tratando de infarto inferior é importante fazer, também, derivações direitas V3R-V4R. No DII longo podemos observar um alargamento do QRS e alta frequência, sugestivo de taquicardia ventricular (TV). Imagino que devido ao infarto, houve um alargamento do intervalo QT ( >500ms) deflagrando uma TV. Sendo assim, temos um ECG com sinais de sobrecarga atrial esquerda e IAMCSST em parede inferior e lateral baixa (acometimento de CX?). Por ainda estar no terceiro ano de medicina, não saberia dizer a conduta. O que fazer primeiro? Trobolítico ou tentar manobra de valsalva modificada? Envia pro CATE ou tenta cardioverter? De uma forma instintiva, tentaria primeiro reverter a TV para depois iniciar terapia trobolítica/ chamar o time da hemodinâmica.