Seção - Artigos Indicados

O artigo aborda um tema que faz parte do dia-a-dia do departamento de emergência, complicações da infusão de vasopressores em acesso venoso periférico.

O estudo é uma revisão sistemática e meta-análise que avalia as complicações do uso de vasopressores em veia periférica.

Desfecho

  • primário: qualquer complicação como resultado direto da infusão:
    • menores = extravasamento, infiltração, celulite e tromboflebite.
    • maiores = necrose tecidual, isquemia de membro, trombose venosa.
  • secundário: qualquer tratamento das complicações (amputação, desbridamento, compressa fria, compressa quente, analgesia)

Resultados: 9 estudos incluídos, total de 1835 pacientes incluídos, duração média da infusão de 25h, total de 122 (7%) eventos adversos no geral: 117 (96%) menores (72% infiltração e 21% eritema) e 5 (4%) maiores (trombose venosa periférica).

Discussão: Ponto importante é que os estudos que relataram explicitamente protocolo de observação/segurança foram associados a prevalência significativamente menor de complicações (3% vs 12%).

Conclusão: Infusão de vasopressor em acesso venoso periférico uma prática segura com taxa de complicações em torno de 7%, com a maior parte sendo complicações de natureza menor. Deve-se seguir protocolo de observação/segurança visto que estão associados a menor taxa de complicações.

Referência: (TRAN et al., 2020)